Não-conformidade ou desvio em atividade de controle

Nas organizações é recorrente as dúvidas em relação ao momento de iniciar uma ação corretiva em uma atividade. Na definição de um processo o momento deve estar bem definido para que a área de processos não gaste energina desnecessária ou perca o momento de corrigir uma ação incorreta.

Este post trata de uma delas em razão de ser o elemento que dá ao analista de processo as informações sobre a execução do processo: não-conformidades (conformidades) e desvios. É importante entender em que situação elas devem ser consideradas e qual é o impacto que elas causam nas atividades e, principalmente, na gestão dos processos de negócio e na qualidade dos bens e serviços gerados quando controles sobre atividades são implementados.

Em primeiro lugar é preciso mencionar que macroprocesso, processo, subprocesso, na verdade, processos de diferentes dimensões, e atividade são elementos que não, em qualquer hipótese, pode ser desconsiderado em qualquer análise e gestão de processos de negócios. As atividades são a menor parte, o menor elemento de todos eles tendo por isso, características neste aspecto, semelhantes as de um átomo. Isto é, assim como o átomo, não pode mais ser subdividida. Importante também compreender que  atividades em sim mesmas não geram bens ou serviços (produtos). Um conjunto de atividades constitui um processo. Os processos, sim, geram produtos que podem ser usados como insumo em outro processo.

Quando tratar de atividades o analista deve levar em conta, antes de tudo o que é verificação e controle. Nos procedimentos de VERIFICAÇÃO apenas tomamos conhecimento das ocorrências; nos procedimentos de CONTROLE é imperativo que exista o registro das ocorrências. Se não existir o registro das ocorrências não é correto afirmar que se trata de um controle, mas uma verificação.

Os registros, entretanto, limitam-se aos indicadores estabelecidos e devem medir principalmente o desempenho da atividade. O processo em si deve ser construído observando caracterísicas de eficiência, eficácia, robustez, flexibilidade e segurança. Os equipamentos, dispositivos e medidores usados na coleta das ocorrências devem ser devidamente calibrados.

Desvio e não-conformidade em procedimento de controle

Espera-se que a área entre o limite inferior do controle (LIC) e o limite superior do controle (LSC) sejam definidos em torno do valor central também definido.  A área entre LIC e LSC das ocorrências é então, definida com aceitável, isto é CONFORME.

Valores medidos que estiverem fora desta área são considerados desvios ou não-conformidades devendo ser prevista ação corretiva para o defeito, erro ou até treinamento do responsável pela elaboração do serviço ou manufatura do bem.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s